No Chile… entre o mar e a cordilheira

Daniela no ChileDaniela e Rodrigo, apesar de serem apaixonados pelo Brasil, sempre quiseram viver a experiência de morar no exterior… Quem diria que, justamente devido à crise financeira mundial, a sonhada oportunidade iria surgir?! E assim, direto de Viña del Mar, eles nos contam um pouquinho da experiência de viver entre o mar e a cordilheira.

– Nome:
Daniela Signorelli Balthazar e Rodrigo Freitas de Souza

– Onde nasceu e cresceu?
Rodrigo é nascido e criado em Santo Antônio de Pádua – RJ, e eu sou carioca…

– Em que país e cidade você mora?
Moramos em Viña del Mar, uma cidade balneário, da V Região do Chile, que fica a 1:30h de Santiago.
Daniela no Chile

– Você mora sozinho ou com sua familia?
Casamos pouco antes de vir pra cá. Moramos também com nossa cadelinha brasileira e salsicha, a Neca.

– Há quanto tempo você reside nesse local?
Desde maio/2009.

– Já residiu em outro(s) país(es) antes dessa experiencia?
Não. Já conhecíamos outros países, mas nunca tínhamos morado fora do Brasil.

– Qual sua idade?
Eu tenho 25 anos e o Rodrigo tem 26.

– Quando surgiu a idéia de residir no exterior?
Morar por um tempo fora do Brasil sempre esteve nos nossos planos. A oportunidade surgiu por conta do trabalho do Rodrigo. Ele é profissional de relações internacionais e trabalha em uma empresa chilena, de transporte marítimo de carga, que tem filiais em muitos lugares do mundo… Ele trabalhava no Rio quando surgiu uma proposta interessante para ir trabalhar em São Paulo e, juntos, decidimos aceitar… Para mim, que tinha me formado recentemente em Biomedicina e já pesquisava cursos por lá, e me “encantava” com a variedade do mercado de trabalho paulista, a mudança não poderia ter vindo em melhor momento…
Depois de 1 ano morando em São Paulo, graças à crise financeira mundial, surgiu a proposta do Rodrigo trabalhar na sede da empresa, em Valparaíso, no Chile. Festejamos por termos recebido “de bandeja” a oportunidade que os dois sempre desejaram: viver em um outro país, ter uma experiência internacional!… Nós nunca havíamos pensado no Chile, é verdade… Mas, por que não? Então, arrumamos as malas, nos casamos oficialmente, colocamos o cachorro debaixo do braço e, em menos de 2 meses, tudo mudou!… Só de lembrar da correria… ufa!…

– Foi difícil conseguir o visto de residência ou o visto de trabalho?
No nosso caso, foi bem fácil… A empresa contratou um despachante, que realizou os trâmites. O Rodrigo tem um visto de residência sujeito a contrato de trabalho e eu, como sua esposa, possuo um visto de dependente, que não me permite trabalhar ou estudar no país. Porém, eu posso buscar trabalho e, facilmente, alterar esse visto, mediante a apresentação de um contrato.
O que dificulta um estrangeiro a conseguir trabalho (e o visto) por aqui, é o fato da empresa contratante ter que assumir um compromisso legal de pagar os custos de retorno deste estrangeiro ao seu país. Além disso, o mercado de trabalho chileno é muito menor do que o brasileiro.
Porém, vale ressaltar que esse compromisso legal de “volta pra casa” pode ser anulado, através de um documento formal, porém, isso acaba sendo um outro complicador – sempre aumenta um pouco a burocracia da contratação.

– Você tem seguro saúde? Foi difícil obtê-lo antes ou depois da sua chegada?
Temos seguro saúde através da empresa do Rodrigo, mas o sistema aqui é um pouco diferente. O funcionário escolhe o plano e a empresa paga, porém, esse plano cobre 70% dos custos médicos, sendo o restante, pago pelo segurado. No nosso caso, a empresa do Rodrigo possui um segundo seguro (próprio), que cobre os 30% restantes.

– Você trabalha? Como a renda familiar é obtida?
O Rodrigo já veio com tudo certo – nossa renda vem dele!
No meu caso, está sendo um pouco mais difícil… Viña del Mar, e sua “vizinha” Valparaíso, são cidades pequenas, com uma população parecida com a de cidades como Petrópolis-RJ, com cerca de 300 mil habitantes cada. Portanto, seus mercados de trabalho apresentam poucas ofertas. Mesmo na capital, Santiago, que tem uma população similar a do Rio de Janeiro, comparativamente as ofertas são menores, além da distância (1:30h) da cidade onde moro, o que desanima um pouco.
Já fiz algumas entrevistas e, esta semana, começarei num “trabalho temporário”, em uma empresa indiana de consultoria, localizada em Valparaíso, que está buscando pessoas que falem português fluente. O domínio de diferentes idiomas é um grande diferencial por aqui!
No Brasil, eu estava acostumada com bons sites de busca de emprego, o que facilita bastante… Porém, aqui no Chile, as páginas são lentas, com layout um pouco confuso e a busca exige muita paciência…
Daniela no Chile

– Se a resposta anterior foi sim, você mudou de área depois da saída do Brasil ou continua no mesmo setor?
Gosto de aprender e conhecer novas áreas e, por isso, também tenho buscado empregos fora da minha formação (biomedicina)… Na empresa de consultoria que citei, por ex, trabalharei em um projeto relacionado à indústria automobilística…

– Você fala a língua local? Você acredita que é importante aprender a língua local?
Acredito ser muito importante, sim! Quando cheguei, não falava espanhol, mas iniciei aulas particulares logo e já estou falando bem… O Rodrigo já dominava o idioma, mesmo antes de trabalhar nesta empresa. Ele também me ajudou bastante a aprender rápido os termos e expressões típicas do Chile.
Os chilenos, em geral, tem boa vontade em ajudar o turista que não fala espanhol, especialmente os brasileiros (que eles gostam muito!), porém, tem muita dificuldade em compreender o português. É possível compreender um pouco o espanhol chileno, mesmo sem conhecer o idioma, porém, eles costumam falar bem rápido e usam muitas gírias típicas daqui: “¿cachai?” (entendeu?), al tiro (imediatamente), além de “huevon” (que significa mil coisas!)…

– O que você pensa sobre seu novo país e o local onde mora (e/ou onde morou)? Eles respeitam os Brasileiros e outros expatriados vivendo nesse país?
Viña del Mar é uma cidade tranquila, organizada, bonita, com muitas praias e conhecida como “Cidade Jardim”… Vivendo aqui, temos ótima qualidade de vida. É possível fazer quase tudo caminhando, ou usando transporte público (nem compramos carro!), com boa segurança. De maneira geral, o Chile é um país bem desenvolvido em muitos aspectos, com pouca desigualdade social e com peculiaridades, e lugares interessantes, para conhecer.
De modo geral, os chilenos tratam bem os estrangeiros e gostam bastante dos brasileiros. Porém, existe uma certa “antipatia” em relação aos argentinos, bolivianos, peruanos e americanos.

– Você tem filhos? Se sim, eles se adaptaram ao novo país? Estudam e têm amigos locais?
Não, por enquanto só temos a nossa “salsichinha” Neca, que se adaptou muito bem e adora passear pela nova cidade. Aliás, Viña, e outras cidades chilenas, são repletas de cachorros de rua, o que já virou uma “marca” do lugar.

– Sente saudades da família no Brasil? Sente falta de produtos, alimentos e outras peculiaridades?
Sim, muita saudade das pessoas! Para o Rodrigo, que já estava acostumado à viver longe dos familiares, a mudança foi um pouquinho mais fácil do que pra mim.
Sentimos também saudades do clima quente brasileiro, das nossas comidas típicas: feijão, churrasco (a carne é muito diferente e cara!) e farofa; da variedade de frutas do Brasil e da diversidade de cardápio nos restaurantes – 90% dos lugares aqui sempre tem “papa” (batatas fritas, cozidas ou purê) com algum pescado…
Daniela no Chile

– O que costuma fazer nas horas vagas, finais de semana e feriados? Quais as atividades recreacionais existentes?
Nos finais de semana, aproveitamos muito em Viña e arredores. Já visitamos todos os pontos turísticos, e procuramos também conhecer os lugares e tudo o que o povo local faz… Diria que Viña del Mar é uma cidade muito agradável para passear, onde chove pouco e o céu está quase sempre azul – apesar do frio e do vento gelado!
Sempre que podemos, viajamos para conhecer outras partes do país. Adoramos conhecer a Cordilheira dos Andes, as estações de esqui, o deserto do Atacama e outras belezas típicas daqui.
Junto com a gente, vieram outros brasileiros, através da empresa do Rodrigo. Normalmente, nos reunimos para assistir aos jogos da Seleção Brasileira, fazer churrascos, feijoadas… Tudo com a cara do Brasil: com cerveja e ao som de música brasileira…
Daniela no Chile

– Você tem planos para o futuro? Pretende viver nesse país para sempre?
Pretendemos voltar para o Brasil um dia, mas não temos data definida. Pode ser que o Chile seja somente a nossa “primeira parada” fora do Brasil – ainda desejamos ter uma “vida nômade” por mais um tempinho…

– Você comprou ou alugou o local que reside? Quanto pagou ou paga por isso? Comprar imóveis é algo comum nesse país?
Alugamos um apartamento, no centro de Viña, sem mobília – aqui é comum encontrar apartamentos mobiliados, mas preferimos trazer nossas coisas do Brasil. Pagamos cerca de $250 mil pesos chilenos (aprox. R$ 830,00) por aluguel + condomínio, o que é um bom preço se comparado ao Rio e Sampa, principalmente pelo fato de ser muito bem localizado: a pé, estamos a 5 min do Metrô, 15 min da rodoviária da cidade e a 10 min da praia.
Aqui no Chile é fácil comprar imóveis por financiamento, mas nosso visto não permite – é necessário ter visto permanente.

– Qual o custo de vida?
O custo de vida em Viña del Mar, especificamente, é menor que no Brasil em alguns aspectos, como habitação e compra de automóveis, aparelhos eletrônicos e outros artigos importados, como roupas. Porém, em relação à alimentação, em restaurantes ou supermercados, e luz, água e gás, é equivalente, ou até mais caro, que em alguns lugares do Brasil.
A educação universitária no Chile é boa, mas bastante cara – todas as universidades públicas e privadas são pagas! Existem sistemas de financiamentos e bolsas de estudo, mas também exigem alto investimento. Um curso de mestrado, por ex., custa em torno de R$ 30 mil.

– Quais os pontos positivos e negativos de morar nesse país?
Vejo como pontos posititos a qualidade de vida proporcionada pelo fato do país ser um dos mais desenvolvidos da América Latina, ter uma boa distribuição de renda, além de possuir belezas naturais originais – vulcões, deserto, a cordilheira, neve, lhamas, lobos marinhos, pelicanos – uma arquitetura bem preservada em muitas cidades, e uma culinária rica em pescados e mariscos (que são muito baratos por aqui!), regada à bons vinhos. As opções de transporte também são variadas e funcionam bem, por preços justos.
Como pontos negativos, o frio fica disparado em primeiro lugar. Os meses de inverno intenso parecem durar muito mais do que esperávamos e, além disso, as cidades não têm estrutura de calefação nos estabelecimentos e moradias. O atendimento no comércio, e para os serviços em geral, é muito diferente do que estamos acostumados: os atendentes dizem o mínimo, não se esforçam em agradar o cliente e, muitas vezes, são lentos. Outro ponto estranho para nós, habituados a fartura do Brasil, é o fato dos restaurantes e lanchonetes apresentarem pratos e itens no cardápio, mas terem sempre muito pouco disponível: acaba a cerveja num bar, um restaurante fica sem comida às 15h da tarde, a pizzaria num tem queijo e por aí vai…

– Qual a curiosidade que mais te chama a atenção nesse país?
O que chamou a atenção, logo que chegamos, foi o abacate estar presente em muitos pratos: em saladas, hamburguer, cachorro-quente… Mas provamos e aprovamos as misturas, comemos sempre!
Uma curiosidade, que pode parecer assustadora para a maioria, é o fato do país sofrer frequentes tremores de terra (mini-terremotos!)… Também se vêem várias placas nas ruas indicando rotas de evacuação em caso de tsunami… Pelo fato do Chile estar sobre uma falha de placa tectônica, o país já sofreu com vários terremotos e erupções vulcânicas (existem mais de 100 vulcões no país!).
Os chilenos, em geral, andam mais “cobertos” – principalmente as mulheres, usam roupas mais fechadas que as brasileiras, até por conta do frio… Em geral, as músicas que se escuta são “importadas” – principalmente o reggaeton caribenho.
Daniela no Chile

– O país que você reside tem alguma coisa que é usado no dia a dia que você acha que seria interessante ser implementado no Brasil?
O sistema de identificação chileno é excelente: eles usam um único número (conhecido como RUT) para tudo: no Brasil, seria equivalente ao RG, CPF e passaporte.
Em Viña, por ex., no transporte existe o chamado “coletivo”: um carro (como um táxi), mas que tem um itinerário fixo (como um ônibus), onde entram diferentes passageiros por vez e, por isso, o preço é muito barato. Aqui, em geral, paga-se de acordo com o trecho percorrido no transporte, seja ele metrô, ônibus ou coletivo.
Algo importante, que deveria servir de exemplo para o Brasil, é a polícia chilena: incorruptível, presente e, por isso, muito respeitada pela população.
Valorizar o país e suas datas históricas também são pontos admiráveis da cultura chilena: eles não festejam a pátria só na Copa do Mundo, como no Brasil!

– Você tem sugestões ou dicas para pessoas que pretendem viver nesse país?
Venha preparado para sentir frio de verdade, mas aproveite para esquiar e tomar um vinho (são muito bons e mais baratos!).
Estude alguns “chilenismos” antes de chegar, mesmo que você já saiba espanhol, para não se perder com as gírias locais.

– Se pudesse descrever em uma palavra a experiência que esta vivendo nesse país, qual seria?
Interessantíssimo!

22 Respostas

  1. Nao conheco o Chile…mas me deu vontade com sua entrevista!

  2. Eu estou apaixonado pelo Chile, queria muito morar aí.

  3. Dani,
    Muito legal a sua entrevista!
    Fiquei assustada ao saber do preço de um mestrado aí! Que caro! E se prepare para me ensinar alguns “chilenismos” quando a gente se encontrar!
    Bjs pra ti e para Rodrigo,

    • Tia Luuuu!!! Que bom que vc gostou!!! =)
      Ou melhor, “Ya… que weno que te gustó”…hahaha… Espero que as minhas informações ajudem algum outro “nômade-mochileiro” por aí…hihihi…
      Vamos ter muito o que fofocar no nosso churras, sem dúvida! Estou contando os dias!!!… Beijãoooo!!!

      • Avisa pro pessoal da Biomedicina que você “tá aqui”!
        E eu concordo com a Meire: o frio do Chile é refresco se comparado ao da Alemanha e outros países!
        Bjs,

  4. Daniela, Você comentou do frio, vc não imagina o que realmente é o frio aqui na Alemanha……..qdo cheguei peguei 14 graus negativo….socorro. Eu já fui para o Chile 3 vezes. Duas vezes quando o meu esposo trabalhava na nestlé e uma vez para levar a minha subrinha de 15 anos para conhecer. Eu simplesmente amo o Chile e se um dia aparecesse oportunidade para morar ai eu iria de olhos fechados. Os lugares que você comentou eu também conheço e quando vi as suas fotos abriu um sorriso imenso em mim…..Mas quero voltar, pois ainda não conheço o deserto de atacama que tanto amo. O seu esposo teve uma ótima oportunidade em um ótimo País. Boa sorte neste novo caminho para vocês dois.

  5. OI Dani,
    não tenho o costume de fazer comentários em Blog,mas não pude resistir quando lí que o Rodrigo é de Santo Antônio de Pádua.Minha família(Simão),parte de mãe,são de de Santo Antonio de Pádua. Meu tio tinha uma loja de tecidos chamada Casa Rejane,faz tempo, em frente a praça principal,perto da ponte.Meu primo o Saidinho tem uma loja de esportes chamada Só Pé.Adoro ir pra lá, a maioria dos meus primos estão no Rio e Niterói,mas qualquer oportunidade estão por lá.Poderia ser uma cidade muito melhor,mais arrumadinha,apesar de ter crescido muito.
    Vou deixar meu e-mail:taniadaimy@yahoo.com.br
    Não conheço o Chile,mas agora fiquei com vontade de conhecer .

    Abços

    Tania

  6. Maluuuuca,

    Te faltó un monte de weá. Faltó hablar que Chile es un país muy abierto económicamente que puede pasar de tu estar en una companhia de puros extranjeros, practicamente sin Chilenos…
    Faltó mostrar las fiestas en tu casa. hahahaha!!!!!!

    Pero por supuesto no se puede decir tanto en una entrevista como esa…

    Me alegro en verte satisfecha y feliz tan rápido en un lugar que parece pero no es tan fácil adaptarse…

    Los abrazos en ti y en Rodrigo les doy personalmente…

    PS.: Pra quem ler meu comentário, sou brasileiro mas escrevi en chilenes, porque a Dani já está esquecendo o portugues e vai virar chilena com passaporte e tudo!!!!

  7. Oi Dani!
    Que legal!!! Que bom que vc está satisfeita com o lugar em que estão morando!
    Nem se preocupa, logo vc estará deslanxando (no trabalho) por aí!
    Eu não conheço o Chile, mas imagino que deve ser muuuuuito lindo. Agora com este seu relato, aguça a curiosidade e a vontade!!!!
    Grande bjo.

  8. Dani!!!

    Muitas saudades de você, do Rodrigo e da Neca!! Muito legal a entrevista. Estou juntando dinheiro para visitar vocês, hein. Beijão e até o nosso churrasco natalino, bem brasileiro, hahahahahhaha!

  9. Cheguei aqui por acaso. Talvez já tenham visitado, mas a casa do Pablo Neruda em Isla Negra (perto de Sto Domingo, se não me engano) é demais, se ainda não foram, recomendo. Viña e Valparaiso são muito lindas. Muita sorte e felicidades, ‘saludos’!

  10. Minha prima ta famosaaaa!!!q orgulhoooo!!!
    Se antes já queria ir ao Chile..a vontade aumentou!!e se a saudade já estava grande..ta enormeeee agora!!!
    D+ a entrevista!as fotos estão lindas!!e vai chover salsichas na horta da Nenecaaa..agora ta famosa..ja viu né?!
    Mil beijos pra vcs!!!e também quero churrasco pra me receber ai..hein?!rs..
    atéee!

  11. Olá descobri esse site e achei muito interessante, não pretendo morar no exterior (pelo menos por enquanto), mas é ótimo ler os relatos.
    Na realidade em outubro/novembro do ano que vem minha filha irá para Santiago e ficará durante 1 semana, gostaria de saber se é melhor comprar a roupa de frio lá, dizem que é bem mais barata que no Brasil. Obrigada.

  12. Olá Daniela, tambem sou brasileiro e tenho enorme interesse em morar no Chile. Sou formado em Direito e gostaria de fazer outro curso no Chile, talvez Medicina, mas com o intuito de fazer moradia nesse país aós o termina do curso.
    Poderia me explicar se é facil conseguir matricular nas Universidades do Chile, os valores são muito altos, e voce ja ouviu ou conhece algum brasileiro que faz faculdade ai ??

  13. Boa noite,

    Daniela,

    Por um acaso ou destino, estava pesquisando na net e encontrei este site, achei mto legal um lugar onde se pode colocar opniões de brasileiros morando pelo mundo.
    Enfim, eu vou morar em Santiago, estou chegando dia 27 de Agosto. E foi mto bom ler sua entrevista, e ter uma visão por perspectivas de uma brasileira. Me ajudou mtoooo..
    Pois ate hoje, so ouvia comentários de pessoas que haviam ido à passeio como eu, ou do meu marido, mas ele é chileno o que para mim não é o sulficiente por razões obvias..rsrsrs
    Parabéns pela sua jornada e que venham mais!!!…rsrs
    Abrçs
    Dieniser Loiola
    São Paulo

  14. Parabéns pela coragem! Estou indo para o Chile na semana que vem para conhecer. E daqui a 2 anos, quem sabe, residir por lá. Gosto muito da cultura chilena.

  15. OBA!
    Adorei saber essas coisas.
    Estou indo para o Chile em março, vou ficar 5 dias e se o meu coração estiver certo que pertence a um weon jajajaja volta para ficar de vez.
    Existem outras dúvidas que quero saber se você pode me ajudar.
    Gracias.

  16. Olá! Meu nome é Paula, estou passando por uma situaçao parecida e gostaria muito de conversar com você por e-mail. Por favor, me escreva em paularoide@gmail.com. beijos

  17. Olá, não costumo comentar em blogs, mas achei super interessante, não sei se vocês ainda moram em Viña, já que a data desta publicação é antiga, mas gostaria muito de conversar com você…meu email é sabrinafernanda.ra@hotmail.com

    Obrigada!!!!

  18. olá , qual seria os passos para eu conseguir ir morar ai no chile ??

  19. Só de não ter que ouvir a “mínima”esse politico rouba mas faz!!!deve ser maravilhoso,quero um pais digno para criar minha filha,não ligo de pagar imposto ,mas não receber nada em troca e ainda ter que pagar para ter educação,segurança,saude entre outras coisas é triste.EU QUERO SAIR DAQUI,Se alguém mora no chile,por favor me de uma luz.Hastá y felicitaciones…

  20. Muito bom o comentário da Daniela! Estou pensado em comprar um AP em vina del mar …a priori para passar ferias,mais depois que sabe morar.. Dani…como faco para comprar um AP aí em vina del mar? Por favor escreva para meu email: danilosfroes@hotmail.com. Grato Dan. Sou brasileiro,funcionário publico ,formado em direto,moro em sao Luis MA Brasil…terra dos lençóis maranhenses ..kkk

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: