Meu Reino e Unido

Ann na InglaterraDepois de 7 anos em terras lusitanas, Ann decide ir para Londres prestar alguns exames da Universidade de Cambridge antes de voltar ao Brasil, (como se fosse assim tão simples). Os anos foram passando e 13 anos depois com marido, filhos e raizes criadas, ela esta firme e forte se sentindo em casa, ou melhor, pelo menos por agora.

– Nome:
Ann Moeller

– Onde nasceu e cresceu?
Sou de Santos/SP

– Em que país e cidade você mora?
Em Londres/UK
Ann na Inglaterra

– Você mora sozinho ou com sua familia?
Moro com meu marido, filho e em breve terei um bebe.

– Há quanto tempo você reside nesse local?
Ja estou em Londres ha 13 anos e meio.

– Já residiu em outro(s) país(es) antes dessa experiencia?
Sim, em Lisboa/Portugal e em Dusseldorf/ Alemanha.

– Qual sua idade?
38 anos

– Quando surgiu a idéia de residir no exterior?
Sou filha de portugueses e na época do Collor, em 1988, meu avIo resolveu voltar para Portugal, depois de (quase) ver as suas economias de uma vida toda serem bloqueadas. Nessa época meus avós levaram a minha irmã (eu ainda estava no colegio), dois anos depois vieram me buscar, para continuar a faculdade de Engenharia que estava cursando, em Lisboa. Morei lá por quase 7 anos, quando decidi vir para Londres só por alguns meses, prestar alguns exames e voltar ao Brasil, mas, mudei de ideia e resolvi ficar por aqui.

– Foi difícil conseguir o visto de residência ou o visto de trabalho?
Como sou de familia portuguesa, sempre tive passaporte portugues, portanto nunca tive problemas com visto.

– Você tem seguro saúde? Foi difícil obtê-lo antes ou depois da sua chegada?
Sim, tenho pela empresa que meu marido trabalha. Porem, aqui na Inglaterra não é muito comum as pessoas terem seguro de saude privado, já que o NHS (Servico de Saude Publico) cobre todas as especialidades e tratamentos, inclusive parto e cesarea, outra razão é devido ao custo.
Uma peculiaridade, é que mesmo tendo seguro de saude voce tem que passar pelo seu medico de familia primeiro. Ele concordando que realmente você precisa ser visto por um especialista, então ele se encarrega de marcar a consulta para você. Uma burocracia absurda ao meu ver, papeis e mais papeis para serem assinados e preenchidos. A diferença do seguro é puramente a rapidez da consulta (pelo serviço publico, a consulta demoraria até alguns meses e sendo privado você é visto em alguns dias).

– Você trabalha? Como a renda familiar é obtida?
Como ja moro aqui ha muito tempo é natural que minha vida tenha mudado, hoje em dia trabalho em casa com Online Marketing, ou seja, tenho mais liberdade e faço meu proprio horario por exemplo. Mas, no começo, fiz de tudo, desde limpar casas a servir em restaurantes e tambem trabalhei em uma escola de ingles bastante popular entre os brasileiros aqui em Londres, antes de ter meu filho.

– Se a resposta anterior foi sim, você mudou de área depois da saída do Brasil ou continua no mesmo setor?
Nunca trabalhei no Brasil, porque quando sai ainda estudava, portanto, sé posso falar de Portugal, onde comecei minha carreira. Na época, depois de sair da faculdade de Engenharia (nunca trabalhei na area), comecei a trabalhar com Marketing e Merchandising o que é um pouco diferente do que faço hoje em dia, portanto diria que dentro da mesma area, me aperfeiçoei em Internet, ou seja Online Marketing.

– Você fala a língua local? Você acredita que é importante aprender a língua local?
Eu estudei ingles desde pequena, portanto quando cheguei aqui ja falava ingles quase fluentemente. Um dos fatores que mais ajuda um estrangeiro por aqui e falar a lingua e não se confinar em ghettos, quero dizer, não ficar só em grupinhos de brasileiros sem se permitir oportunidades que possam surgir de aprender e praticar ingles. A melhor maneira é fazer amizades na escola de ingles, eu quando cheguei tinha um grupo de amigos russos, saiamos bastante e isso me ajudou muito a perder a vergonha inicial, a corrigir erros e aprender expressões locais, que só se aprende com a pratica e o dia a dia.
Ann na Inglaterra

– O que você pensa sobre seu novo país e o local onde mora (e/ou onde morou)? Eles respeitam os Brasileiros e outros expatriados vivendo nesse país?
Volto a repetir sobre os guetos, claro que se um brasileiro chega e só pensa em se relacionar com outros brasileiros, sem se dar a chance de conhecer pessoas de outras nacionalidades, só frequentar bares brasileiros por exemplo, essa pessoa sim vai dizer que os ingleses não gostam de estrangeiros, mas, a realidade é outra, eles são mais abertos a amizades do que muitas pessoas pensam. Tanto eu, como meu marido que é polones, temos varios amigos ingleses, ele principalmente e é uma relação de amizade normal, sem regionalismos.
Hoje em dia, infelizmente esta se vendo muita negatividade na midia, devido aos atos terroristas e ao Home Office (Imigração) estar sempre mudando as leis e dificultando ainda mais a chegada de imigrantes. Mas, os que conhecem ou tem contato com brasileiros, gostam muito da nossa cultura e ha varios realmente apaixonados pelo Brasil, que ja viajaram e conhecem muito mais o meu proprio país do que eu propria.

– Você tem filhos? Se sim, eles se adaptaram ao novo país? Estudam e têm amigos locais?
Sim, tenho um menino de 8 anos, nascido e criado aqui, completamente apaixonado pelo pais dele e muito patriota. Ele adora Historia e ja aprendeu muita coisa interessante sobre a historia da Inglaterra, fazendo com isso que nos aprendamos com ele. Quando saimos de ferias e ficamos muito tempo fora, ele sente muita falta daqui, começa a comparar e Londres sempre ganha …risos… O meu filho é uma criança muito extrovertida e popular, faz amigos com facilidade aonde quer que vá, portanto, ele esta sempre na casa de algum amiguinho ou tenho sempre crianças em casa. Esta crecendo em um ambiente trilingue aprendendo sobre a cultura brasileira e falando um pouquinho a lingua e tambem a cultura e a lingua polonesa, do meu marido.

– Sente saudades da familia no Brasil? Sente falta de produtos, alimentos e outras peculiaridades?
Quase nao tenho mais familia no Brasil, portanto a saudade que sinto é de algo que não existe mais, somente do meu passado e da minha adolescencia que foi maravilhosa, na epoca de 80, época que ainda se podia sair a noite sem preocupações como hoje em dia, época em que os adolescentes podiam ter mais liberdade. Isso sim, me da muita saudade, mas, ja faz muito tempo que não moro lá, e não vou de ferias com muita frequencia também, então aprendi a lidar com a nostalgia que me pega de vez em quando e também mato a saudade dos amigos de infancia que ainda mantenho contato pela internet.
Quanto a produtos, não da para sentir saudade, porque é possivel encontrar de tudo em Londres, desde feijão, pão de queijo, até havaianas e alicate de unha. Ha varias lojas, restaurantes, mercearias, churrascarias, ou seja um pedacinho do Brasil por aqui, o que é otimo, porque nada como uma bom arroz e feijao com banana a milanesa…

– O que costuma fazer nas horas vagas, finais de semana e feriados? Quais as atividades recreacionais existentes?
Como em qualquer lugar, indiferente das ofertas de lazer disponiveis, vai de cada um fazer o que gosta. Aqui em casa saimos muito para fora de Londres nos finais de semana para conhecer lugares novos e tambem para fazer trilhas em florestas e parques. Museus tambem fazem parte constante da nossa rotina, com criança em casa é um passeio que fazemos com frequencia, ainda mais nos meses de inverno. É possivel encontrar de tudo em Londres, ha sempre uma opção mesmo que seja algo alternativo ou não muito popular. Aqui só fica em casa sem fazer nada uma pessoa completamente desinteressada.

– Você tem planos para o futuro? Pretende viver nesse país para sempre?
Ficaremos aqui pelos próximos anos até que meu filho se torne adolescente e ai teremos que optar se ficamos aqui ou se vamos para a Polonia para ficar mais perto dos meus sogros. Outros países na lista são Suecia e Dinamarca, aonde sempre quis morar por alguns anos. O ficar aqui para sempre soa muito pesado, e algo que não planejo assim, vou planejando por etapas.

– Você comprou ou alugou o local que reside? Quanto pagou ou paga por isso? Comprar imoveis é algo comum nesse país?
Como muitos ja comentaram os preços de imoveis aqui em Londres são absurdos. Temos um apartamento nosso já há muitos anos e devo mencionar que é pequeno, mas, pela localização, nem tão barato assim, porque moramos em uma area bem localizada e com uma otima opção de transportes. Estamos, ja há meses procurando casa para comprar fora de Londres, para podermos ter mais espaço, coisa rara no centro da cidade, devido aos preços. Apesar da recessão ter afetado e muito os preços dos imoveis por aqui, ainda assim, os preços continuam altos. Claro que dependendo das areas, ha sempre uma diferença como em qualquer lugar, mas, acredito que por menos que £150K nao seja possivel comprar nada hoje em dia por aqui.

– Qual o custo de vida?
Cada familia vive de acordo com o que ganha, portanto o nivel de vida das pessoas varia muito. Se engana aqueles que pensam que aqui na Inglaterra todos tem o mesmo nivel de vida como na Suecia e Dinamarca, por exemplo. Já há muito tempo o gap social vem crescendo sem parar. A diferenca entre classe media alta e baixa é visivel. Bairros como Chelsea e Belgravia acumulam o maior numero de milhionarios do país, familias com renda de mais de £500K por ano, enquanto em Hackney, um dos bairros mais precarios de Londres, varias pessoas vivem de beneficios do governo e sem trabalho.

– Quais os pontos positivos e negativos de morar nesse país?
Positivos: a liberdade de não ter que provar nada a ninguem, um exemplo, aqui a maioria das pessoas não passam roupa, geralmente só as camisas dos maridos irem trabalhar (meu caso) e na rua ninguem nem olha para você com a sua roupa toda amassada, isso da uma sensação de liberdade. Me lembro no começo, quando cheguei e me acostumei a não passar roupa, (penso no meio ambiente rsr), quando saia me sentia atraindo olhares, mas, era só na minha cabeça condicionada a uma certa conduta inaceitavel ate então, imagine andar assim no Brasil ou em Portugal então, eu seria convidada a sair do recinto rsrs e aqui, isso não faz você uma pessoa pior do que as outras. A oferta de trabalho, estudo, enfim, muitas oportunidades, tambem e um dos aspectos mais positivos daqui. E possivel encontrar cursos em todas as areas e niveis e mesmo depois de casado com filhos é comum as pessoas fazerem cursos curtos sobre alguma area que gostem ou para aperfeicoar algum hobbie.

Negativos: muita liberdade, sim estou me contradizendo, em determinadas situações, liberdade demais e sem limites não é positivo, uso como exemplo os adoslecentes daqui, que não respeitam ninguem, não ha a cultura como a nossa de respeitar os mais velhos e as vezes vemos meninos de 13,14 anos batendo nos pais e tendo atitudes inaceitaveis para a sua idade. O frio não me incomoda, já que gosto de inverno e temperaturas frias, mas, a falta de luz sim considero como um ponto negativo aqui no Hemisferio Norte, não são todas as pessoas que se adaptam a esse clima escuro e com dias curtíssimos no inverno. Depressão acaba fazendo parte da vida de muita gente e é preciso saber que o inverno é longo, apesar de não ser assim tão frio se comparado a outros paises da Europa, mas é necessario se acostumar a sair e continuar com a rotina mesmo assim. Encontrar amigos, passear e conversar ajudam muito a combater um começo de depre.

– Qual a curiosidade que mais te chama a atenção nesse país?
Talvez a atitude “não to nem ai!“, no Brasil, talvez pelo temperamento latino, as pessoas se metam mais na vida uns dos outros ou em outros casos como por exemplo, se acontece alguma coisa na rua com alguem, pelo que me lembro da minha época, as pessoas se ajudavam, aqui não se ve isso, ninguem interfere no espaço do outro e as vezes acaba sendo um aspecto negativo.
Outro ponto extremamente negativo é a falta de contato e ligações com a familia, especialmente os idosos, que geralmente moram sozinhos ja em idade avançada. No meu predio tenho varias vizinhas inglesas com mais de 80 anos, todas viuvas e morando sozinhas, algumas nem andam mais direito, mas, tem que sair para fazer compras e lidar com o dia a dia sem ajuda alguma da familia, que por sinal algumas delas, quase nunca os vem. Culturas diferentes eu sei, mas, mesmo que more aqui a minha vida inteira não vou entender e deixar de achar desumano até.

– O país que você reside tem alguma coisa que é usado no dia a dia que você acha que seria interessante ser implementado no Brasil?
Um exemplo interessante e o valor que a musica tem na vida das pessoas, desde a infancia. As escolas tem aulas extracurriculares de musica e os instrumentos são emprestados para as crianças praticarem em casa, ou seja, mesmo uma crianca que venha de uma familia de renda baixa, tera a oportunidade de tocar violino ou qualquer outro instrumento, se assim o quiser e tiver dom para a musica, uma iniciativa bastante positiva e que vale a pena ser estudada e copiada.

– Você tem sugestões ou dicas para pessoas que pretendem viver nesse país?
Venha com a mente aberta, disposto a aprender e não se exclua da sociedade. Agarre oportunidades, que haverão muitas, com vontade e use cada uma delas como ensinamento.

– Se pudesse descrever em uma palavra a experiencia que esta vivendo nesse país, qual seria?
Para mim aqui é a minha casa, não vejo mais como experiencia diferente, porque e a realidade que tenho ja ha muito tempo, portanto, as vezes ja me pego pensando como os ingleses e concordando ou dando palpites sobre politica e sociedade.

– Você gostaria de recomendar algum web site ou blog relacionado à esse país?
Sim, o meu blog; www.amarelinha.co.uk, destinado aos brasileiros, especialmente as mamaes que morem no Reino Unido, aonde dou dicas de compras e passeios, o que fazer com os pequenos, muita informação importante (sobre saude/educação/beneficios) e noticias atualizadas. Tambem tenho varios links de associações que oferecem ajuda e apoio para brasileiros em Londres.
Ann na Inglaterra

Anúncios

14 Respostas

  1. Ann, muito legal a sua entrevista. Gostei de te conhecer mais um pouquinho.

    Olha, no Brasil, a nova geracao também nao anda mais respeitando os pais como antigamente, mas mesmo assim ainda somos melhor em tratar o próximo que a Europa.

    Vejam só, seus avós sao portugueses e meu pai era português, já que há 5 anos faleceu. Mais uma coincidência entre nós, rs. Vai ver que somos até parentes, ahahahaha!

    Trabalhar de casa dá mesmo uma folga prá gente que é mae, esposa, diarista, etc.

    Te desejo tudo de bom com a gravidez e quem sabe dessa vez vem uma menina? rs.

    Adorei as iamgens da sua entrevista. Você me mostrou uma Londres diferente.

    E concordo com você: se ficarmos entre barsileiros nada aprendemos a nao ser reclamar e a comparar o país onde se está. O brasileiro em outro país precisa aprender a andar com as próprias pernas.

    Um beijao

    • Oi Georgia, querida,
      Quer ver que somos primas?rsrsr, nao ia ficar nada surpresa depois de tantas coincidencias entre nos duas, nao e mesmo?
      Fico felliz que vc tenha gostado das fotos. Londres e uma cidade encantadora e oferece muito mais do que apenas o Big Ben que as pessoas conhecem.
      Fico te esperando aqui para um passeio!
      Bjs

  2. Otimo saber mais sobre voce Ann. Realmente, as pessoas sao mais individualistas na Europa. Na Holanda os idosos, principalmente os (as) viuvos (as) com mais de 80 vivem em asilos (mas muito bem tratados). Ah, e aqui todo mundo passa todas as roupas siiiim !

  3. Adorei sua entrevista…Sempre bom ler sobre o ponto de vista e a vida em outros paises. Tks for sharing!

  4. Realmente, as vezes os caminhos que vamos escolhendo ao longo da vida vão nos afastando naturalmente da terra natal… mas as lembranças e o que se viveu, ficam para sempre na memória e no coração.
    Lá no “UMA ESPOSA EXPATRIADA” http://umaesposaexpatriada.blogspot.com/ eu escrevi um POSt nominado “UMA ESTRANGEIRA NO LUGAR CERTO”.
    Logo estermos juntas no seu “amarelinha”! Bjka.

  5. Oi Renata,
    Estou te esperando para a entrevista tambem,rs
    E e mesmo assim, como vc disse, escolhemos caminhos distantes, mas, a memoria nos faz resgatar valores e lembrancas eternas…
    Bjs

  6. Adorei te conhecer mais um pouquinho Ann :D. Também somos mambembes eu e meu marido. Estamos nos arrumando para outra mudança de país, se tudo der certo já no primeiro semestre do ano que vem.

    Também sou super adaptável, de cada lugar que vou absorvo o que eu gosto e tento lidar com o que não gosto.

    Tomara que vc tenha uma menina ;).

    Bjs

  7. Muito legal sua entrevista Ann, sem estrelismo e na dose certa.
    Obrigada.

  8. Oi, Ann, adoreii a sua entrevista, muito fofa vc! Estou indo para Londres mês que vem, muita ansiedade! 🙂

  9. Oi Ann, estou tentando entrar em contato com portugueses que residem em Cambridge.Ainda falo/entendo muito pouco ingles e contato na lingua portuguesas seria otimo.Sempre fico 06 meses em Cambridge, na casa da minha filha que e casada
    com ingles e tenho um neto de 06 anos.Fiz amizades com algumas pessoas (familia italiana de um restaurante no centro de Cambridge).Tenho amiga carioca casada com ingles que tb reside aqui a uins 15 anos.Espero entrar em contato com portugueses antes de retornar ao Brasil.Se puderes me dar dicas de comunidades, associacoes e/ou clubes em Cambridge, desde ja agradeco.
    Abracos,
    Marlene

  10. Oi Ann, enviei mensagem anterior extensa.Nao sei se recebeste.Tento contato com portugueses q moram em Cambridge.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: