Um cidadão do Mundo!

Homero na IrlandaEu era apenas um Analista de Negócios, quando decidi que precisava ter uma experiencia fora do país. Vendi meu carro, arrumei minhas malas e fui-me para Irlanda ter um dos períodos mais fantásticos da minha vida. Conheci muita gente interessante, muito lugar novo, e passei por coisas que nunca passaria se ficasse no Brasil…

– Nome:
Homero Carmona

– Onde nasceu e cresceu?
Eu nasci em Interlagos, São Paulo / Capital.

– Em que país e cidade você mora?
Morei em Dublin / Irlanda.

– Você mora sozinho ou com sua família?
Morei sozinho em Dublin, apenas com um amigo.
Homero na Irlanda

– Há quanto tempo você reside nesse local?
Foram 10 meses e meio!

– Já residiu em outro(s) país(es) antes dessa experiência?
Não, foi minha primeira experiência morando fora do Brasil.

– Qual sua idade?
24 anos.

– Quando surgiu a idéia de residir no exterior?
Desde a época de colegial, primeiro e segundo ano eu cogitava a hipótese. Mas eu decidi e comecei a planejar de fato no final de 2006 quando reencontrei uma ex-colega de classe que acabara de voltar de um intercâmbio nos EUA. Perdi a noite inteira conversando com ela a respeito de tudo que ela tinha feito por lá e também pela Europa, pois ela fez um mochilão ao final do programa nos EUA.
A partir deste dia, eu fiz uma planilha com minha receita / custos e comecei a planejar quando poderia viajar.

– Foi difícil conseguir o visto de residência ou o visto de trabalho?
Na verdade eu fui como estudante então não obtive nem um nem outro. Na Irlanda, você pode trabalhar como estudante desde que seu curso tenha seis meses de duração. Durante as aulas você pode trabalhar part-time e full-time durante as férias.
Homero na Irlanda

– Você tem seguro saúde? Foi difícil obtê-lo antes ou depois da sua chegada?
Sim, comprei o seguro da GTA. Na época custou cerca de 750 reais e era válido por um ano. Não há complicação alguma para conseguí-lo.

– Você trabalha? Como a renda familiar é obtida?
Sim, trabalhei como garçom durante minha estadia em Dublin. Eu nunca tinha feito isso na vida, estava acostumado a sentar atrás de um computador ou a reuniões com clientes.
O primeiro emprego que consegui lá foi através do meu amigo Edu Giansante, que já deu entrevista aqui. Ele foi chamado para trabalhar em um evento gigante de cavalos, e a empresa precisava ainda de mais gente. Foi ai que ele me indicou e comecei a trabalhar como garçom.
Mais tarde, comecei a trabalhar em outra empresa de eventos, ainda como garçom. Esta eu consegui enviando currículos pela internet.

– Se a resposta anterior foi sim, você mudou de área depois da saída do Brasil ou continua no mesmo setor?
Sim, como disse no início, eu sou Analista de Negócios, formado em Administração de Empresas. Infelizmente não consegui me manter na área, fiz algumas entrevistas, mas não obtive sucesso. Mas não reclamo de ter trabalhado de garçom, pagou minhas contas e foi uma experiência de vida fantástica.

– Você fala a língua local? Você acredita que é importante aprender a língua local?
Para mim é fundamental, se você não souber ao chegar, não tem problemas, mas é imprescíndivel se esforçar para aprender ou aprimorar suas habilidades na língua local.
Eu tive a oportunidade de morar com dois Irlandeses, e aprendi muito com eles a respeito da cultura local. Além de eles constantemente corrigirem meu inglês, dar dicas, ensinar palavrões e gírias… hehehe
Para os nativos, acredito ser legal ver estrangeiros aprendendo suas línguas. Eu digo por mim, acho super divertido e interessante conversar com um gringo que tenta falar português.

– O que você pensa sobre seu novo país e o local onde mora (e/ou onde morou)? Eles respeitam os Brasileiros e outros expatriados vivendo nesse país?
É um país de primeiro mundo, mas que ainda tem muito a aprender em termos de cultura, economia e até mesmo respeito.
Quanto a nós brasileiros, somos super bem aceitos. Preconceito não é algo comum por lá. Existem alguns mais nacionalistas (ou cabeça duras) que são de certa forma contra a imigração, mas são minoria absoluta.

– Você tem filhos? Se sim, eles se adaptaram ao novo país? Estudam e têm amigos locais?
Não tenho filhos.

– Sente saudades da família no Brasil? Sente falta de produtos, alimentos e outras peculiaridades?
Eu vivi um período muito intenso por lá, senti saudade da família em momentos pontuais, mas não era algo que me incomodava diariamente. Principalmente em fim de semanas sem dinheiro e sem amigos, eu ficava pensando no que eu estaria fazendo se estivesse no Brasil com minha família e amigos.
Mas como disse, forem momentos pontuais e isolados de maior dificuldade por lá. Todos foram muito presentes e sempre me apoiaram, a energia de todos podia ser sentida diariamente, mesmo a distância.

– O que costuma fazer nas horas vagas, finais de semana e feriados? Quais as atividades recreacionais existentes?
Pra mim, quando morando no Brasil ou na Europa, viajar foi sempre minha prioridade! Então muitas vezes deixei de gastar dinheiro indo a um Pub para poder fazer a viagenzinha no final do mês.
Este é o grande benefício de se estar na Europa. É muito fácil e muito barato viajar para diversos países. Eu conheci 12 países e mais de 20 cidades por lá, me orgulho muito disso, atingi meu objetivo.
Nos fins de semana que ficava em Dublin, as vezes íamos para um PUB, mas para mim as melhores festas aconteciam em casas de amigos. 15 ou 20 pessoas bebendo e conversando… tocando violão e cantando. Eram ótimas oportunidades de conhecer mais de perto outros brasileiros e também coreanos, poloneses, irlandeses, franceses, etc. etc.
Estas são definitivamente as coisas que vou sentir mais falta: viagens pela Europa e festas multiculturais em casa de amigos.
Homero na Irlanda

– Você tem planos para o futuro? Pretende viver nesse país para sempre?
Eu entitulei minha entrevista como “cidadão do mundo” pois acredito que não pertenço a um lugar. Fiquei um tempo em Dublin, ficarei um tempo no Brasil, gostaria de ir pra algum lugar na América do Sul. Mais pra frente, em dois ou três anos pretendo ir para Austrália ou Canadá, mas desta vez com visto de trabalho.

– Você comprou ou alugou o local que reside? Quanto pagou ou paga por isso? Comprar imóveis é algo comum nesse país?
Eu aluguei um quarto com meu amigo, custava 300 euros por mês mais as contas (luz, gás e internet).
Os preços de imóveis na Irlanda são completamente surreais, do meu circulo de amigos ninguém nem ao menos cogitava a compra de um imóvel por lá.

– Qual o custo de vida?
Por pessoa, para se ter o básico: uma cama, arroz e feijão, pagar as contas, etc. sem nenhum luxo, você vive com 650 euros. Se ganhar mais que isso já pode pensar em viajar para algum lugar de vez em quando.

– Quais os pontos positivos e negativos de morar nesse país?
Estou sendo repetitivo, mas a maior vantagem de morar na Irlanda é estar na Europa, perto de tudo. Além disso, a economia do país, por fazer parte da união européia, é relativamente estável, e tem crescido muito. A infraestrutura do país é ótima e os processos burocráticos apesar de as vezes parecerem arcaicos, todos eles são muito práticos e objetivos – funcionam.
O ponto “negativo” pode ser positivo também, pois acredito que a atual situação da Irlanda é de receber muitos imigrantes. Isto é bom, pois é um país de portas abertas, por outro lado o país está um pouco desconfigurado por causa disso. As culturas se misturam mas ainda não estão em sinergia. Além disso, o número de imigrantes é enorme e a concorrência por emprego está crescendo mês a mês.

– Qual a curiosidade que mais te chama a atenção nesse país?
Eles tem muito orgulho do seu país, mesmo sendoi um país tão pequeno e tão sofrido. Existe um sentimento de unidade. Além disso, eles são um povo que aprendem com os erros. Bebem muito, mas não dirigem quando bebem. Já passaram por guerras, mas é proibida o porte de arma (inclusive por policiais).
E ao contrário da imagem que temos dos norte-americanos, que são orgulhosos e prepotentes, os irlandeses são orgulhosos porém muito respeitadores. Amam o país, se acham o „melhor do mundo as vezes“, mas respeitam as coisas boas que existem nos outros lugares, e se interessam.

– O país que você reside tem alguma coisa que é usado no dia a dia que você acha que seria interessante ser implementado no Brasil?
Algumas coisas funcionam muito bem por lá, mas não se aplicam ao Brasil, pois somos infinitamente maiores e com mais gente. Além disso, nosso povo não é suficientemente instruído para certas coisas que já funcionam na Europa, mas a gente chega lá…

– Você tem sugestões ou dicas para pessoas que pretendem viver nesse país?
Tenho muitas, estão todas no meu blog: www.e-dublin.com.br

– Você gostaria de recomendar algum web site ou blog relacionado à esse país?

www.e-dublin.com.br – Meu blog com Edu Giansante contando um pouco de nossa vida por lá, dando dicas, e mostrando curiosidades da cultura irlandesa.

www.dublinando.com – Site de um amigo nosso, que também tem dicas sobre a vida na Irlanda.

Anúncios

7 Respostas

  1. Aeee, parabéns! Muito bom! 🙂

    Viver no exterior, em um pais de lingua e culturas diferentes é uma experiencia unica e impagável, recomendo.

    Abs,
    Edu

  2. Opa Mirella, muito obrigado pela oportunidade! Mais uma vez parabéns pela iniciativa! =o)

    Realmente Edu, se tivesse que definir a experiência de morar fora em uma palavra, eu diria: INSUBSTITUIVEL! Essa pode ser até uma sugestão de pergunta pro próximo questionário ein?

    Abraços,
    Homero

  3. Estive em Dublin em Setembro e adorei a cidade!

    Também estudei noutro país: Espanha. É simplesmente espectacular!

  4. Mirella,
    Eu e minha colega Inalva vamos para o Canadá e EUA – Turismo – no dia o2 de julho de 2009, como fazer para adquirir ingressos para Brodway e também que roupas usaremos no Canadá, mora em João Pessoa – Paraíba – Brasil. Aqui não tem frio.

    • Ola Suely,

      Não se preocupe com o frio… Julho é verão aqui no Canada, mas não esqueça uma jaqueta + moleton, pois a noite pode esfriar um pouco…
      Mas não é necessario se preocupar com isso nessa época do ano.
      Quanto aos ingressos da Brodway… que show vcs querem assistir? Vcs podem comprar no teatro ou na website.
      A maioria dos shows são encontrados nesse website: http://www.mirvish.com/
      Qualquer coisa me avisa e eu te ajudo mais.
      Abs,
      Mirella

  5. Os caras do e-dublin são ótimos!
    Grande entrevista, e motivadora
    Sou fã do trabalho deles.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: